O que são hemorróidas?
As hemorróidas são vasos sanguíneos de dimensões aumentadas, salientes, situados na parte distal do recto e ânus. Existem dois tipos de hemorróidas, internas e externas, de acordo com a sua localização:

Hemorróidas internas: Desenvolvem-se dentro do ânus, onde habitualmente permanecem, pelo que nas fases iniciais o doente não as vê nem sente. São caracterizadas por perdas de sangue vivo e/ou exteriorização (prolapso) durante a defecação, este último numa fase já mais avançada. Se totalmente prolapsadas, sem possibilidade de re-introdução no canal anal, podem provocar dor forte.

Hemorróidas externas: Aparecem à volta do orifício anal, sendo revestidas por pele muito sensível. A ocorrência de um coágulo sanguíneo no seu interior (trombo) irá provocar um «inchaço» local muito doloroso, traduzido por um nódulo duro, azulado, muito incomodativo pelo prurido e inflamação que o acompanha. Só sangrarão no caso da sua ruptura.
O que causa as hemorróidas?
São muitas as causas, não se conhecendo com exactidão a exacta. Têm sido apontados como factores favorecedores a idade, a obstipação, o esforço para defecar, a gravidez, o tempo prolongado na sanita, a diarreia, a posição sentada por longos períodos e outros. Sabe-se que existe um estiramento dos tecidos que suportam os vasos sanguíneos, pelo que estes se dilatam. As suas paredes tornam-se finas e ocorre o sangramento. Se a pressão ou o esforço para defecar continua, verifica-se a sua protusão (prolapso).
Quais os sintomas das hemorróidas?
Os sintomas podem ser variados: perdas de sangue vermelho-vivo durante as dejecções, prolapso durante as dejecções, comichão na região anal, dor, nódulo sensível.
Quando ir ao médico?
Geralmente os sintomas desaparecem em poucos dias, havendo situações, contudo, que podem significar um problema bem mais grave. Embora não exista uma relação entre hemorróidas e cancro, ocorrem sintomas semelhantes, pelo que os atribuídos à doença hemorroidária, especialmente a hemorragia, devem ser investigados por um médico especializado no tratamento das doenças do foro coloproctológico. Não se auto-medique nem aceite medicações sem fazer os exames indispensáveis. Procure um Coloproctologista para que o diagnóstico e o tratamento seja correctamente efectuado.
Como as hemorróidas são estruturas anatómicas normais, só haverá lugar a tratamento caso provoquem sinais e/ou sintomas.
Tratamento
Regras gerais
A obstipação deve ser prevenida e / ou combatida. Comece pela alteração do regime dietético e estilo de vida, regularizando a função intestinal e evitando o esforço defecatório excessivo. Para isso aumente a ingestão de alimentos ricos em fibras e de líquidos (1,5 a 2 litros de água por dia), incluindo se necessário farelo de trigo ou um laxante incrementador do volume fecal. Tal manterá as fezes moles e evitará o esforço defecatório. Evite o sedentarismo. Tenha uma atividade física regular para prevenir a obstipação.
Tratamento médico
Pode recorrer a pomadas, cremes e supositórios que não tratando a doença hemorroidária podem aliviar alguns sintomas. Pode também fazer medicação oral, com medicamentos que melhoram o tónus venoso (flebotónicos), habitualmente derivados dos flavonoides.
Tratamentos instrumentais
São realizados em ambulatório, no consultório, na falência da terapêutica médica. Os mais frequentemente efetuados são a esclerose hemorroidária e a laqueação elástica hemorroidária.
Tratamentos cirúrgicos
A cirurgia no tratamento da doença hemorroidária está indicada nos casos de falência da terapêutica médica e instrumental, particularmente nos casos com prolapso hemorroidário - hemorroidas grau III e IV (necessitando de redução manual do prolapso ou com prolapso permanente).

Existem várias técnicas cirúrgicas, que podem ser divididas em convencionais, (clássicas) e modernas.

No primeiro grupo incluem-se as verdadeiras hemorroidectomias, que consistem na remoção dos pedículos hemorroidários, deixando três feridas operatórias que cicatrizarão espontaneamente 6 a 8 semanas depois da cirurgia. Estão particularmente indicadas nas hemorroidas de grau IV. São técnicas algo dolorosas no pós-operatório, embora a utilização de determinados equipamentos como o Ligasure, o Ultracision ou o Laser possam atenuar um pouco esta dor.

No segundo grupo, temos a hemorroidopexia mecânica (PPH – técnica de Longo) indicada nos casos de hemorroidas grau III e a desarterialização hemorroidária tarns-anal (THD) indicada nas hemorroidas do 2º e 3º grau. São técnicas que não removem os pedículos hemorroidários, antes fazendo uma pexia na PPH (reposicionamento da mucosa rectal) e laqueando por Doppler as artérias hemorroidárias no THD. São técnicas praticamente indolores, em que os doentes apenas referem transitoriamente algum desconforto intra-rectal. Permitem uma recuperação pós-operatória bastante mais rápida, com um retorno precoce dos doentes às suas atividades socioprofissionais.
2015 © Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento Netgócio ®
Utilizamos cookies próprios e de terceiros para lhe oferecer uma melhor experiência e serviço. Para saber que cookies usamos e como os desativar, leia a política de cookies.
Ao ignorar ou fechar esta mensagem, e exceto se tiver desativado as cookies, está a concordar com o seu uso neste dispositivo.